Defeça civil segue realizando Blitzes Verdes no Município

Publicado por em 15 de setembro de 2018

No período de estiagem, as regiões de matas estão mais vulneráveis aos riscos de queimadas. Basta uma pequena fagulha para produzir um incêndio de grandes proporções, deixando em risco a natureza e as pessoas. Para conscientizar a população sobre esses problemas, a Defesa Civil em parceria com a Polícia Militar e também a Secretaria de Educação, estão realizando a Blitz Verde. A ação faz parte do Plano Inverno de Petrópolis e teve a sua terceira etapa na manhã desta quarta-feira (12/09), em Corrêas. Sendo as duas anteriores realizadas em Itaipava e no Centro.

“Além de serem regiões com muita vegetação, são grandes centros urbanos. Estamos sendo muito incisivos e estamos nas ruas conversando com a população. Vamos buscar fazer operações em outras localidades”, ressalta o Coronel Paulo Renato Vaz, Secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias.

Durante o trabalho da Equipe, foram destribuídas 1.500 cartilhas, ademais, os estudantes da Escola Municipal Hercilia H. Moret (situada na localidade), foram conscientizados pelo Coronel. Os alunos tiveram também, a chance de conhecerem os equipamentos de combate ao fogo em vegetação, como bombas costais e foices, que ficaram expostos ao longo do dia para visitantes na frente de uma barraca montada pela Defesa Civil Municipal na Praça da região. Neste ano, desde janeiro, são mais de 50 casos registrados pelo Corpo de Bombeiros em regiões como Araras, Secretário, Itaipava, Nogueira e Posse. Desde o início do período de estiagem, em julho, são mais de 180 hectares destruídos pelo fogo. No último fim de semana, três incêndios florestais consumiram mais de 2 mil metros quadrados de mata – o que equivale a mais de 2 campos de futebol – no Roseiral, Cascatinha e Corrêas.

A situação é ameaçadora para o meio ambiente e também para os habitantes. “Além do risco ambiental, nós temos também o risco real de danos humanos, não somente a saúde mas também risco a vida, já que temos muitas casas inseridas nesse contexto verde, das florestas. Havendo também o risco eminente a propriedade”, segundo o Secretário.

Há uma ferramente muito eficaz que está colaborando para o mapeamento, registro e direcionamento dos locais onde acontecem as queimadas, o drone. “O drone pode verificar onde há um pequeno foco, uma fumaça inicial sendo propagada, podendo direcionar as equipes de combate e as equipes de socorro para debelar o fogo. Geralmente, acontece no topo de morros, onde seria necessário o lançamento da equipe através de helicópteros e até mesmo, uma caminhada até o local. Com o drone, há a possibilidde de mapeamento e assim, eles tem a localização mais precisa. Além disto, o drone é muito mais seguro e econômico.”

Para o Secretário Paulo Renato Vaz, um grande ou pequeno incêndio começa sempre da mesma forma, de maneira incipiente e ressalta que, 90% dos casos de incêndios são causados pela soltura de balões.

Saiba como denunciar  

A ação é crime ambiental, para denunciar atividades suspeitas, disque 190. O cidadão pode também ir a delegacia e registrar uma queixa.

Escrito por Ana Luiza Garcia e revisado por Andrey Mattos



Comentários Fechados