DOENÇAS RENAIS PODEM LEVAR PETS A ÓBITO

Publicado por em 5 de abril de 2018

Google-cão-e-gato-foto-principal-696x428

Assim como nos humanos, as doenças renais podem afetar e causar grandes consequências aos bichos de estimação. Apesar de atingir caninos e felinos, os gatos são mais suscetíveis à patologia, grande causadora do fluxo destes animais ao veterinário, impactando 60% dos gatos idosos. Não há causas específicas para este mal, pois geralmente o peludo já nasce com propensão ao problema e conforme o animal vai envelhecendo e perdendo as funções do órgão, desenvolvem-se as complicações.

De acordo com a médica veterinária Priscila Mesiano, normalmente, em cães, a insuficiência renal cursa com sintomas graves. “É preciso ficar atento a emagrecimento, perda de apetite, vômito, diarreia, mau hálito e úlceras como se fossem aftas na boca. Ao perceber esses sintomas, o tutor deve levar o animalzinho o quanto antes à um médico veterinário para que o profissional faça exames de sangue, clínico e de imagem e  detecte se realmente a função renal do cachorro está alterada”, complementa.

Nos cachorros, as doenças renais são muito mais graves do que nos gatos, por conta do aumento das taxas de ureia e creatinina que podem levar o animal a óbito. Por isso é fundamental, diagnosticar a doença o quanto antes a fim de se tentar estabilizar o cão e seguir com tratamentos como fluidoterapia, medicamentos de suporte por um período, além de diálise peritonial e hemodiálise. “Quando a insuficiência renal é aguda é possível reverter e tornar o animalzinho saudável novamente, mas a maioria dos casos  que nós atendemos são tão tardios que já se apresentam insuficiência renal crônica e uma vez crônica, o animal vai precisar ser tratado para o resto da vida com fluidoterapia, medicamentos e rações medicamentosas”, alerta.

Assim como nos cães, as doenças renais em felinos costumam aparecer em animais mais idosos, a partir dos sete a oito anos de idade.  “A doença renal em felinos é muito comum e eu oriento os tutores à realização de check-ups anuais nos gatinhos para que sejam solicitados exames de função renal, como sangue, urina e ultrassonografia, a fim de se avaliar como está funcionando o rim do bichano, já que muitas vezes a insuficiência renal começa sem sintomas aparentes no animal.”, diferencia.

Os sintomas  aparecem mais tardiamente  quando o gato já está com perda de função renal. O gatinho passa a beber mais água e fazer mais xixi, diferentemente dos humanos que possuem dificuldade de fazer xixi quando estão com os rins afetados. Vômito, emagrecimento, perda de apetite e hálito forte também estão presentes. “Os gatos bebem pouca água e é preciso estimular este hábito como prevenção, por meio de alimentação úmida, colocando mais vasilhas grandes pela casa ou usando fontes. Também é possível fazer caldinho de carne ou de frango ou colocar algo atraente dentro da água do gato, como cubinhos de gelo ou pedacinhos de fruta”,indica..

 



Comentários Fechados